6 Razões para Desenvolveres a Tua Mediunidade

Há muitas razões para desenvolver a mediunidade. Tantas razões quantas justificações para não a desenvolver. Por isso, lembramos-te hoje de 6 dos motivos que levaram tantos médiuns a dar os primeiros passos no seu desenvolvimento.

Não se trata de obrigação. Não se trata de facilidade. Nem se trata de privilégio. Trata-te de ter a consciência cada mais clara e mais forte de que este é o caminho certo para cada um. 

 

– A vida é curta.
As pessoas que estão no final de vida arrependem-se de não terem feito mais, de não terem arriscado mais na altura em que podiam. Muitos de nós, adiamos sistematicamente várias iniciativas que não deixariam muito mais felizes e realizados. Fazemo-lo por diversas razões (há sempre uma justificação!) e todas elas são válidas. No entanto, a dor do arrependimento de chegar ao final desta jornada com tanto por viver, tanto por dar, tanto por receber é dilacerante.

Nunca sabemos quando a vida chave ao fim, mas podemos aproveitar ao máximo e viver tudo o que temos a viver agora mesmo. Se sentes que a jornada do desenvolvimento mediúnico é para ti, prepara-te para avançares. Não deixes esta caminhada para uma fase da tua vida em que não a vais poder fazer.

 

– Consegues sentir medo e avançar na mesma. 

 

Tendemos a ver os desafios com um tamanho e exigência maiores do que aquilo que eles realmente têm. Se é verdade que o caminho da mediunidade está cheio de desafios, também é verdade que existe ajuda para trilhar esse percurso. Não tens que te desenvolver sozinha nem que te sentir perdida com essa capacidade.

Da mesma forma que também não tens que esperar que o medo acabe para iniciar o teu desenvolvimento. O medo não vai passar definitivamente. Não é suposto que passe. O medo é natural quando estamos perante algo desconhecido e que põe em causa as nossas certezas e hábitos. Portanto, avança apesar do medo. A ansiedade é um sinal que o teu corpo envia para ires com cautela, mas ser prudente não é igual a estar bloqueada.  



– A opinião dos outros é só uma opinião.

O número de pessoas que deixa para trás a sua mediunidade por receio daquilo que os outros vão pensar, dizer ou fazer é gigante. É um número muito maior do que deveria existir.

Todas as pessoas têm direito às suas opiniões e esse campo (as opiniões dos outros) é algo que não cada a cada um mudar. Podemos mudar as nossas opiniões, as dos outros não. O desgaste e o insucesso que essa tentativa acarreta não vale minimamente a pena. Numa postura de respeito e honestidade com os outros, afirma a tua verdade e partilha a importância que este caminho tem para ti. Não tentes convencer ou pedir que compreendam. Muitas pessoas não vão compreender ou aceitar, mas precisas dessa autorização para fazer o teu percurso mediúnico?

Não te desfoques de ti para perder o teu tempo com aquilo que os outros poderão achar do teu caminho. Estás em segurança física? Se sim, é isso que importa. Tudo o resto é perda do teu tempo. Lembra-te: a vida é curta!

 

– Tens a força necessária para dar passos difíceis. 

 

O desenvolvimento mediúnico pede-te que dês passos, que ajas, que faças algo a cada momento. Se numa fase inicial podes passar por fazer muitas reflexões, por alteares a tua consciência e ganhares conhecimento sobre a mediunidade, o caminho é de ação, mais do que de reflexão. Vais chegar a uma fase onde te vão pedir que faças contactos com pessoas no mundo espiritual, que saibas detalhes da vida e da partida dessas pessoas, que faças uma comunicação sensível e assertiva com a pessoa que procura o contacto com um familiar que já partiu, etc, etc. Tudo isto requer treino e ação. Uma consulta de mediunidade bem feita não surge por milagre de um dia para o outro.

Algumas destas ação serão fáceis e outras mais difíceis para ti. O desafio faz parte do caminho. Só quando o estás a fazer é que vais descobrir quais são as tarefas fáceis e as tarefas difíceis. Até lá, são exercícios de imaginação ou receios que absorveste de outras pessoas. 

 

Na nossa experiência, há dois aspectos que facilitam muito a jornada mediúnica:

  1. Deixar de achar que o caminho é muito difícil ou muito fácil – não te ajuda a classificar o percurso desta forma porque estás a criar expectativas que na maior parte dos casos não correspondem à realidade. Humaniza a tua jornada: como ser humano terás momentos mais fáceis e outros mais difíceis, como qualquer jornada. 
  2. Acreditar que seja qualquer for o desafio terás a força, as capacidades e a ajuda necessárias para seguir em frente. Quando não se sabe, pergunta-se. Quando não se consegue, pede-se apoio. 



– Está na altura de fazeres o que te realiza profundamente.

Está sempre na altura de te realizares. A diferença é que por vezes te sentes preparada e autorizada e outras vezes não.

Prepara-te e autoriza-te a ti própria para fazeres o teu caminho da tua vida. Não esperes que algo ou alguém no exterior te dê um sinal de que está na hora. Se sentes interiormente que te falta algo e que o momento presente é o certo, prepara-te e avança. O caminho mediúnico está tão profundamente relacionado com a realização pessoal e espiritual que devia ser uma disciplina da escola, disponível a todos, para o bem de todos, em ligação com as outras áreas de vida de todos. 

 

Uma vez que estes ensinamentos não fazem parte da nossa cultura nem farão tão cedo, cabe a cada um decidir por si de acordo com o chamamento e o eco que a mediunidade tem na sua vida. O resultado do desenvolvimento é diferente para cada pessoa. Não há um resultado geral, porque o impacto é individual, as capacidades que se vão despertar são diferentes de pessoa para pessoa e o que cada um faz com o seu desenvolvimento é uma escolha pessoal.

Trata-se do teu processo que é único a ti. Podes desenvolver a tua mediunidade seguindo um programa geral para todos, mas o que emerge é específico a ti. Portanto, não compares o teu caminho com “o outras pessoas,” porque “o caminho das outras pessoas” não existe. Cada um tem o seu que é único e precioso. 



– Quando avanças, o Universo estende-te a mão e ampara-te.

Quando decides avançar e fazes algo concreto nesse sentido depois da decisão, o Universo abre-te possibilidades. Abre-te portas e convida-te a dar mais passos. Começas a ver o Plano Espiritual de Vida a florir: as pessoas certas aparecem, as oportunidades de desenvolvimento surgem, as ideias e as soluções começam a emergir dentro de ti, o sentimento de entusiasmo e curiosidade fazem-se sentir cada vez mais fortes. A realidade está a apoiar-te e pergunta-te: A tua decisão é mesmo a sério?

O que vais responder?

Partilha:
OUTRAS PUBLICAÇÕES:

Por Onde Começo?

Começar um caminho de desenvolvimento não é necessariamente fácil. Porquê? À partida, as jornadas mediúnicas são caminhadas de expansão, libertação e encontro com o Ser

×
×

Cart